Museu do Casarão Pau Preto

Curta e compartilhe ;)

Museu do Casarão Pau Preto em Indaiatuba
Fachada do Casarão da Fazenda Pau Preto em Indaiatuba.
Print Friendly, PDF & Email

Sobre o museu:

O Museu do Casarão Pau Preto em Indaiatuba iniciou suas atividades no ano de 1983, ao mesmo tempo ele foi declarado de utilidade pública. Todavia é formado de objetos dos universos doméstico, trabalho urbano, trabalho rural, artísticos entre outros. Assim para expô-los é necessário, ao longo de todo o ano, apresentá-los através de exposições temáticas e temporárias.

No espaço também há o auditório tulha, e uma área externa com árvores centenárias remanescentes da antiga fazenda.

História do Casarão:

A antiga sede da Fazenda Pau Preto foi construída no início do século XIX (1810 – 1820). Foi levantada através da técnica da taipa, tanto a de pilão, bem como a de mão, utilizando mão-de-obra escrava. O casarão é contemporâneo da Igreja Matriz Nossa Senhora da Candelária, que teve sua construção iniciada no ano de 1807.

Técnica da taipa-de-pilão:

Durante e para a confecção das paredes de taipa-de-pilão, foram necessárias o uso de formas feitas de madeiras. Eram peças móveis portanto, como resultado se moviam conforme o andamento da construção e da obra.

No interior da forma que eram feitas de tábuas eram depositadas uma massa majoritariamente composta de uma mistura de terra e água. Após depositar essa massa era necessário pilar, usando também uma ferramenta feita de madeira.

Necessariamente após estar seca a massa, a forma era desmontada e montada novamente. Imediatamente mais para cima ou mais para o lado e assim sucessivamente até que a parede estivesse toda concluída.

Técnica da taipa-de-mão:

Durante e para a construção das paredes de taipa-de-mão eram necessários construir paredes de madeira bruta e posteriormente amarradas com cipós. Esta estrutura feita de madeira levava o nome de gaiola, então depois da estrutura pronta os espaços vazios eram preenchidos com uma massa de terra e água. Não era usada nenhuma ferramenta específica, usava-se apenas as mãos, daí vem a origem do nome taipa-de-mão.

Importante para a economia da época:

O casarão foi construído com o incentivo português à produção açucareira voltada ao mercado europeu. O açucar era transportado por animais, por estradas precárias até o litoral onde embarcavam em navios.

Na segunda metade do século XIX, o então Capitão da Guarda Nacional José Manoel da Fonseca Leite, proprietário de terras em Indaiatuba, por ocasião do casamento de sua filha Escolástica Angelina Fonseca com Joaquim Emídio de Campos Bicudo, usa a Fazenda Pau Preto como dote.

A fazenda que tinha suas divisas além do Ribeirão do Pau Preto, estava em plena decadência, ou seja, suas terras abandonadas devido ao final do ciclo da cana de açucar.

Joaquim Emídio então deu inicio à produção da cultura de café na fazenda e entre os anos de 1860 e 1870 adquiriu da igreja cerca de 15 alqueires, e consequentemente incorporou esta área as áreas da Fazenda Pau Preto.

Foram identificados o uso de pedras, além de tijolos, que foram usados em um segundo momento, quando o prédio sofreu alterações para adaptar-se às várias gerações da família Bicudo, que ali residiu desde 1885 até a década de 1980.

Mas por volta de 1885, o proprietário da Fazenda Pau Preto agregou a suas terras a chácara onde havia sido construído o Casarão e o transformou em sede da propriedade. Logo após, construiu ao lado do Casarão um prédio de tijolos para abrigar uma máquina a vapor para beneficiar a cultura de café, sendo por muito tempo a única da cidade. Este prédio que possui traços da arquitetura industrial inglesa, era denominado de Tulha e parte da Tulha foi demolida.

A Tulha foi um fruto da economia cafeeira, do início da industrialização no Brasil, e durante este período, houve na região a introdução de linhas férreas que como resultado dinamizou a escoação da produção até o Atlântico.

Horário de Funcionamento:

Terças, quartas, quintas e sextas-feira:
Museu e Bosque – das 9h às 17h.

Sábados, feriados e pontos facultativos:
Bosque – das 9h às 12h.
Museu – das 13h às 17h.

Domingos:
Bosque – Fechado
Museu – das 9h às 13h.

Segunda- feira:
O Museu do Casarão Pau Preto é fechado para manutenção mas o bosque e as atividades administrativas da Fundação funcionam normalmente.

Sujeito a mudanças na programação. Consulte para informações.

Estacionamento: Em volta do museu (rua), gratuito.


Galeria de fotos:


Como chegar:


Prefeitura Municipal de Indaiatuba.

https://www.indaiatuba.sp.gov.br/

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*